Levaram os seis filhotes - Affonso Romano de Sant'Anna



Levaram os seis filhotes dessa cachorrinha
que chora 
geme de desespero
procura suas crias pelos cantos da casa
sob a mesa
no jardim
na lareira
e pede socorro com seus olhos
exigindo explicação.
Perplexo a contemplo:
- não sabemos de nada.
Um mistério, uma pulsão de vida
nos trespassa
e a perda, e a morte
nos horrorizam e nos esmagam
numa impotente solidão.

(Do livro Sísifo desce a montanha)

Ontem já era


Foi-se a infância. 
Depois da escola, torturamos 
os irmãos mais novos. 
Temos vergonha se estamos nuns. 
Mas os brinquedos, desesperados, 
gritam da sua utilidade. 
Ontem já era. 
Sedutoras, gatinhas temporonas 
brincam de esconde-esconde 
nas ruas e becos da cidade.

(Tiradas do Teco, o poeta sonhador)


Diálogo entre um pré-adolescente e um ET



- Deus existe?
- Sim.
- Mas aonde??
- Nos lugares onde é bem-vindo. 
- Sinto Deus quando escuto a música das esferas celestes, do sol e da lua, dos rios e das montanhas...
- Como age Deus?
- Acho que as coisas de Deus são um mistério... Nessa vida moderna, em que temos pressa para ter, ter e ter, ficamos perdidos e esquecemos a alma no meio do caminho.

- O que chama a atenção de Deus? Riqueza? Poder?
- Acho que é algo simples, como um brinquedo que desperta a atenção de uma criança...

- Pra você, o que é a verdade?
- Hum... Acho que é não prejudicar os outros.
- A verdade é sempre a mesma?
O ET responde com uma pergunta: 
- O mundo não está sempre em movimento?

- O que você gostaria de fazer agora?
- Sei lá... Alguma coisa fora do comum...
- Dançar no meio da rua?!
- Brincar na chuva?!
- Abraçar um desconhecido?!
- Olhar o pôr-do-sol?!

(Inspirado na leitura do livro Maktub, de Paulo Coelho)

Clipe