Você, um consumidor do bem


Você que vai ao shopping e aluga o mostruário. Observa linhas e curvas, ângulos e formas, do pescoço até a cintura.
Você, que parcela o dia-a-dia em fatias de açougue, mercado e farmácia, calcula o mês durante a noite, pra saber o quanto pode esticar o seu carnê.
Você, um consumidor do bem. Que não se cansa de vigiar e, se preciso for, acionar a polícia e o Procon.
Tens de deixar tudo em dia: IPVA, IPTU, vacinas e o Título de Eleitor, e sorrir para as câmeras que te observam nas esquinas.
Você, que se acostumou com a rotina e serve de exemplo e retidão. Para que tua vida continue tão bela quanto é, seja sério e fiel consumidor.
Você, que controla gastos, raiva, medo e frustrações, que desfila uma brisa de sabedoria, que troca o carro a cada final de ano, em quarenta e oito suaves prestações.
Você, que absorve a opinião pública, previsível, definitiva, com altas doses de senso comum.
Você, um consumidor do bem, que obedece às estatísticas. Não as reais, frustradas pelo acontecer, mas as projetadas pelos deuses do mercado econômico. Cresça, cresça, de preferência dois ou mais dígitos, até a morte te acolher.

(Tiradas do Teco, o poeta sonhador)


Ele se chama Pirapora - Rubem Braga

Chama-se Pirapora, o meu corrupião; eu o trouxe lá da beira do São Francisco muito feio, descolorido e sem cauda. Consegui uma licença escrita para poder conduzi-lo; apesar disso houve um chato da companhia aérea que implicou com ele na baldeação em Belo Horizonte. Queria que ele viesse no compartimento de bagagens, onde certamente morreria de frio ou de tédio. Houve muita discussão, da qual Pirapora se aproveitou para conquistar a amizade de um negro carregador, limpando-lhe carinhosamente a unha com o bico. Encantado com o passarinho, esse carregador me ajudou a ludibriar o exigente funcionário, e fizemos boa viagem.
A princípio eu me preocupava em saber o que o bicho comia. Hoje me pergunto o que ele não come. Carne de vaca; verduras, tomate, laranja, goiaba, miolo de pão, mamão, sementes, gema de ovo, palitos de fósforos e revistas ilustradas, praticamente tudo ele come. É mesmo um pouco antropófago, porque devora qualquer pedacinho de pele da mão da gente que descobre. Os alimentos mais secos ele os põe n'água e faz uma espécie de sopinha fria. Come e descome com uma velocidade terrível; tem um metabolismo alucinado, mas respeita rigorosamente a limpeza do canudo de palha em que mora. Adora tudo o que brilha, pedras preciosas ou metais, e fica bicando essas coisas com uma teimosia insensata, como a lamentar que não sejam comestíveis. Passa horas brincando com um pedaço de barbante, mas isso parece que lhe faz um pouco mal aos nervos. Peço às damas visitantes que retirem os anéis quando se aproximam da gaiola.

***
Agora ele está de rabo comprido, penas negras lustrosas e penas alaranjadas vibrantes de cor. Está realmente bonito, voa um pouco pela casa todo dia e toma banho duas vezes ao dia. Enfim, tenho todos os motivos para me orgulhar de meu corrupião; e devia estar contente. 
Mas a verdade é muito outra. Há um pequeno drama de família; estamos de mal.

***
Conheço muitas histórias de corrupião; corrupião que assobia o Hino Nacional; corrupião que só gosta de mulher, não tolera homem; corrupião que quando o dono da casa chega ele assobia até que abram a gaiola e ele pouse no ombro do homem; corrupião que passeia pelo bairro inteiro e volta para casa ao escurecer, etc.
O meu, não. Talvez a culpa seja minha, que o educo mal. Sei como deveria proceder com ele; movimentos sempre lentos, chantagem na base do miolo de pão, não lhe dando comida demais para que ele venha comer na mão; certa mistura de disciplina e carinho, sistema de prêmios e castigos. Enfim, aquele negócio dos reflexos condicionados.
Ele já estava bastante meu amigo quando cometi o primeiro erro; e ele reagiu. Afastava-se de mim; se eu aproximava o dedo, ele bicava com força. Despeitado com esse tratamento, eu devo ter sido um pouco brusco. Um dia em que ele não queria de jeito nenhum sair da gaiola eu o agarrei e o trouxe para fora à força. Não gostou.
O pior é que tomei gosto em irritá-lo. Estalo os dedos sobre sua cabeça, o que o faz emitir estranhos grunhidos, enchendo o papo de vento, esticando o pescoço e dando grandes assobios; fica parecendo um galo de briga; uma gracinha. Mas com essas provocações ele foi, devagar, devagarinho, criando um certo ódio de mim.
Não, ainda não será ódio. De outras vezes ele já levou um dia inteiro, até dois, sem me dirigir a palavra, e mesmo sem me olhar; mas logo o rancor sumiu de sua alminha leve, e voltamos às boas. Desta vez ele está há quatro dias completamente hostil, e minha presença o incomoda visivelmente. Por acinte trata bem qualquer pessoa estranha, o rufião. Mas creio que sua amizade é um bem ainda recuperável.
O pior é que eu digo essas coisas assim, mas no fundo sou um pouco rancoroso, e estou criando uma certa mágoa desse bicho ingrato que eu trouxe da roça para a Capital da República, até cheguei a ir à feira só para comprar comidinhas melhores para ele, dei gaiola grande e bonita, uma vez gastei oitenta cruzeiros de táxi só para vir em casa livrá-lo de uma chuva súbita. Não, não sei se ainda lhe tenho a mesma estima. Nosso último incidente foi há três dias, e ele ainda hoje à tarde me tratou com uma antipatia suprema e ainda por cima se desmanchou em graças e carinhos com o boy que veio buscar a crônica.
Acho que vou dar esse corrupião - ou despedir esse boy.

(Do livro, Para gostar de ler - volume 5 - Crônicas. Editora Ática)

Amor, volto já


O pesadelo de hoje tem nome: Aedes Aegypti. De tanto povoar os noticiários, descoloriu minha vontade de ir pra rua viver o carnaval. Quase invisível, mas tenebroso, ameaça sequelar meus netos e filhos com o zika vírus.
O ministro telefonou pra dizer que conhece a realidade. E deu uma ordem: evitem que se espalhe esse monstro!
Porém, nesta semana o ministro e os mosquitos podem esperar. Amor, volto já. Vou me libertar desta aflição no carnaval, mesmo sabendo que o inseto pode me picar.
Meu pulsar se deixou seduzir pelo ritmo da bateria. Não, não quero perder o bonde da cultura popular. Perco o sono com medo de as novas gerações deixarem de ser gênios e se tornarem retardadas, se o mosquito não for banido da face da terra. Mas por estes dias mente e corpo expurgarão o tormento. Vou saltar pra rua, seguir o bloco da tradição e do inconsciente coletivo.
Ôpa. Meu Bloco de Concreto bateu de frente com um bloco mais prosaico: marmanjos vestindo fraldas geriátricas! E agora, como poderei me alegrar sem antes compreender singela iniciativa? Com suas fraldas, representam bebês ou velhinhos? Estão inaugurando ou no término da vida?
Um amigo diz que eles extravasam impulsos sexuais impublicáveis à luz do dia. Outro conhecido, pelo visto bem informado, diz que o grupo participa de um “Chá de beber” e que, se em Ijuí é novidade, é comum nas grandes cidades. 
Viram só tamanha criatividade? Aqui estamos nós imitando o que acontece em outros lugares!
Grande ideia. Comemorar uma gravidez, a chegada no mundo de um novo ser, reunindo um grupo de machos usando fraldas. Beber, beber, e depois desfilar pelas avenidas, num tremendo buzinaço. Já pensaram se, junto às buzinadas, acrescentarem um foguetório, espalhando o terror pra cima dos velhinhos doentes, bebês de colo e dos bichos, indefesos aos barulhos?

Amor, volto já. Vou ali tentar compreender a curtura popular.

(Tiradas do Teco, o poeta sonhador)

Imagem do site http://revistadonna.clicrbs.com.br/comportamento-2/mulheres-no-carnaval-de-porto-alegre/.

Desenhos na parede - Diana Corso



Não tenho tanto medo dos militares, nem dos políticos corruptos, quanto tenho da população simploriamente indignada e daqueles que manipulam esses sentimentos. Assusta-me a vontade que parece falar nas ruas de eleger alguém, aquele que estiver mais à mão, para odiar. Já vimos esse filme, quantas vezes? Quantas ainda o teremos que ver?
Ele seria um subversivo político somente na dimensão em que a liberdade de expressão fosse perigosa. Esse era o caso. Trata-se de um conto de Julio Cortázar que transcorre na Buenos Aires dos anos de chumbo, quando se desaparecia pela mínima discordância com aquela gente que a ditadura pôs no mando. A personagem fazia desenhos com giz de cera nas paredes. Eram imagens artísticas, por vezes até abstratas, mas diligentemente apagadas a mando da polícia. Arriscava-se muito, era uma espécie de paixão que lhe movia a vida: fazê-los depois visitá-los furtivamente para acompanhar o efeito que causavam nos transeuntes. Vê-los sendo apagados e insistir. Uma única vez pusera palavras: "me dói muito". Este foi removido com maior urgência.
Um dia, ao lado do seu, surgiu outro desenho. O traço era feminino, ele supôs. Por algum tempo comunicaram-se assim. Em geral, era ele que começava, ela respondia, uma dança na parede. Ele dedicava agora suas andanças furtivas a tentar surpreendê-la, sempre fracassando. Até o dia em que, obcecado por conhecê-la, expôs um de seus desenhos em um lugar mais visível e arriscado, onde podia ficar observando mais tempo à sua espera. Ela não pôde resistir ao desafio e foi pega. Ele não conseguiu ver mais que um cabelo e uma silhueta azul sendo colocada na viatura.
Uma triste história de amor desencontrada, mas linda e colorida. Retrata a obsessão dos regimes repressivos com o apagamento da poesia, da arte, da parte mais pulsante da vida nas ruas. A escuridão política começa com o enrijecimento das almas. A ascensão das piores ditaduras nasceu de disputas políticas, de crises econômicas, mas atendia ao impulso popular de simplificar a vida. É uma tentação eleger inimigos fáceis e sentir a satisfação de eliminar todos aqueles que forem apontados como discordantes. O obscurantismo nasce também da preguiça do pensamento.
Após todos estes anos de democracia, mesmo a nossa, com inúmeros defeitos e trejeitos inaceitáveis, voltei a temer novamente pela poesia dos desenhos na parede. Não tenho tanto medo dos militares, nem dos políticos corruptos, quanto tenho da população simploriamente indignada e daqueles que manipulam esses sentimentos. Assusta-me a vontade que parece falar nas ruas de eleger alguém, aquele que estiver mais à mão, para odiar. Já vimos esse filme, quantas vezes? Quantas ainda o teremos que ver?
O conto Grafitti é uma história de amor das antigas, daquelas em que os amantes nunca se tocam. Eles apenas se rondam, desenham e se excitam com o mistério. O perigo que nos ronda agora, que parece estar excitando a tantos, é de colocar no poder os que apagam a poesia das paredes, do mundo, do amor. Me doeria muito.
(Zero Hora, domingo, 31/01/2016)

baixando as armas


As meninas apresentam suas armas:
o bumbum arrebitado
as cores transparentes
os cabelos avoados.
Os meninos apresentam suas armas:
o carro rebaixado
o som atordoado
o álcool pra soltar.
As meninas e suas credenciais:
grita o corpo seminu
e a boca silencia
nas altas doses de batom.
Os meninos e suas credenciais:
o corpo acadêmico
é a potência do seu som
e a palavra se esvazia
com o ronco do motor.
Daqui desta sacada, cansei de armar minha palavra, como o bote da serpente e o olhar do boxeador. Cansado de ter a língua afinada, a palavra vomitada antes de sentir amor. Aqui nesta sacada, saquei a emoção fingida, a razão idolatrada, não mais quero disparar e causar tamanha dor. É hora de baixar as armas e recuar...
E voltar a sonhar...
Que as gurias querem flores e poesia, palavras sussurradas com sentido, transar a vida com perfume e conteúdo, tudo, tudo, sem buscar a mera utilidade ou qualquer outro reflexo... Tudo, tudo, antes da produção em série, bombada, idolatrada, do sexo.


(Tiradas do Teco, o poeta sonhador)

Clipe